Filiada à:
CTB FSM Contricom UITBB FLEMACON DIEESE
71
3321.3909

Destaques do dia

    Compromisso de Temer é sufocar a voz dos trabalhadores

    Os 296 deputados federais e os 50 senadores que formam o contingente de Michel Temer no Congresso Nacional encenaram durante os últimos meses que a reforma trabalhista iria “modernizar” as relações de trabalho. Sob esse discurso, no entanto, estava contido um pacote de assalto aos direitos da classe trabalhadora.

    No cálculo dos empresários a quem Temer e sua tropa está à serviço, para que o fim dos direitos trabalhistas vingue, é necessário sufocar a voz dos trabalhadores e trabalhadoras, que se manifesta através do seu instrumento de lutas que é o sindicato.

    Por isso, o senhor escravocrata Michel Temer e seu capitão do mato, senador Romero Jucá (PMDB/RR), no show de mentiras para garantir a aprovação da proposta no Senado, prometeram um cheque em branco, onde diziam que através de Medida Provisória (MP), iriam “melhorar” (sic) a reforma trabalhista. Horas depois, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ) anunciou que na Câmara nenhuma mudança seria feita através de MP.

    O objetivo é estrangular os sindicatos

    Entre as promessas para aprovar a matéria estava a de que Michel Temer iria rever a contribuição sindical, imposto que permite que os sindicatos possam ter estrutura para realizar as lutas em defesa da classe trabalhadora, como as campanhas salariais.

    Entretanto, ao contrário do texto que circulava informalmente no Senado, antes da aprovação, a minuta entregue pelo Planalto retira da MP o ponto que trata do fim do imposto sindical, ou seja, é preciso acabar com os sindicatos, pois sem eles, os trabalhadores e trabalhadoras perdem seu poder de mobilizar a classe para que ela se levante em defesa de melhorias nas suas condições de trabalho e de vida.

    Desta forma, a contribuição sindical passa a ser opcional a partir de novembro. Segundo Temer, deverá ser criada uma “alternativa de financiamento aos sindicatos” mas, que não ultrapassará a metade do valor de hoje.

    De Brasília, Sônia Corrêa – Portal CTB

< Voltar